terça-feira, 7 de julho de 2009

Os críticos do treino com comida...

Quase todos os animais treinados que aparecem em filmes ou em televisão foram treinados com recompensas de comida. Baleias assassinas são treinadas com peixe. Ursos são treinados com marshmallows e bebidas gasosas. Golfinhos e focas com peixe. Leões com carne, etc. Obviamente, que os treindadores que lidam com estes animais enormes e potencialmente perigosos não querem que eles associem o treino ou o treinador a coisas negativas ... por amor à sua vida ou aos seus membros anatómicos. Então porquê descriminar os nossos companheiros caninos? Não é tempo de dar uma oportunidade aos nossos melhores amigos de quatro patas igual ao resto dos animais?
Qualquer criticismo em relação ao uso de comida como um utensílio de treino pode ser aplicado ao uso de qualquer outro utensílio de treino como coleiras estranguladoras, electrónicas, bolas, festas, etc.
Excessivo reforço verbal ou correcção poderá excitar demasiado o cão. O cão poderá não responder quando anda solto. O seu cão dificilmente respeitará alguém que regularmente recorre ao uso da força fisica ou ao uso de punições dolorosas. E se o cão não gostar de comida, poderão perguntar ... bem, e se o cão não gostar de correcções na trela?
O que interessa aqui perceber é que, seja qual for o utensilio usado estamos a condicionar o comportamento através desse artificio, por isso se usamos meios negativos porque não usar positivos?
O uso de qualquer ferramenta de treino tem as suas vantagens e desvantagens. Por isso não vamos esquecer as vantagens só porque nos estão constantemente a lembrar as desvantagens.
A comida é o melhor utensilio de treino para a maioria dos cães e donos. Quando nos tornamos adeptos do uso da comida, ficamos aptos para usar brinquedos de roer, de apitos, churros, etc. Claro que se o relacionamento com o seu cão é próximo e saudável as festas e recompensas verbais serão suficientes como utensilio de treino.

As frases mais frequentes dos criticos das recompensas de comida:

"Usar comida para treinar? Isso é um treino para fracos"
Talvez, mas funciona! E diria até que, se ter uma varinha mágica e andar de cor de rosa ajudasse no treino de cães e salvar as suas vidas em determinadas situações ou evitar abandonos, eu faria isso também. Em adição às suas aplicações óbvias em todos os aspectos de ensinar boas maneiras, as recompensas de comida podem ser usadas com a maior importância em modificações de comportamentos, sejam eles agressivos ou outros. De facto, as recompensas de comida são tão eficazes que o seu uso deveria, na minha opinião, ser prioritário.
Seria uma pena se a educação do seu cachorro ficasse aquém das espectativas apenas porque existe concepções erradas acerca do uso de comida como ferramenta de treino.

"O meu cão vai ficar gordo"
Se o alimentar com comida em demasia ele ficará gordo. No entanto, as recompensas de comida propicias para treino não deverão ter calorias extra. Se as recompensas fazem parte da ração normal do seu cão então retire essa quantidade da quantidade total diária da alimentação.
Ou seja, todas as manhãs pese a quantidade diária de ração e retire a quantidade que quer para o treino. Para além disso pese o cão com regularidade para se certificar que não ganha peso, se o fizer reduza na ração diária.

"O meu cão será viciado em comida para sempre, sempre a pedir comida quando tenho alguma coisa na mão"
Não será assim necessariamente! Poderá inclusive usar as recompensas de comida para ensinar o seu cão a não pedir comida. Mais ainda, a única coisa verdadeiramente eficaz para ensinar a não comer o que apanha é a comida.

"O meu cão só responde às ordens quando tenho comida"
Muito provavelmente porque não percebeu inteiramente as regras do reforço com comida. É necessário aprender como substituir a comida por outros tipos de reforços do dia-a-dia como festas e recompensas verbais.

"Não quero subornar o meu cão"
Subornar um cão não é treiná-lo nem leva a lado nenhum, no entanto usar a comida como ferramenta de treino não é um suborno, é um meio motivacional, coisa que realmente resulta, muito bem até.
As recompensas ensinam o cão a querer fazer o que nós queremos que ele faça, como motivador ensina o cão a estar atento e motivado para agradar.

"Eu quero que o meu cão me respeite, não apenas por interesse"
Esta questão esconde uma lógica por vezes assutadora ... de que o cão irá respeitá-lo mais se usar no treino a correcção e a punição, em vez de recompensas de comida. Duh!! Atenção com aqueles que insistem que o assédio, o bulling e o uso da força fisica são necessárias para que o cão mostre respeito. Pelo contrário, ganhará gradualmente o respeito e a confiança do seu cão com conhecimento, compreensão e inteligência, através do treino por recompensas, nomeadamente de comida. Todos queremos que os cães nos respeitem e se orgulhem de nos ter como companheiros humanos, principalmente que respeitem as crianças, caso elas existam. O treino com recompensas de comida é a maneira mais rápida e eficaz para as crianças ganharem o respeito dos seus cães e isso demonstra a verdadeira eficácia desta ferramenta.

"Quero que o meu cão o faça porque estou a mandar"
Eu quero que os cães cumpram as minhas ordens, ponto final! Respostas rápidas e voluntariosas são pedras fundamentais num treino eficaz de cães. Concerteza que será possivel coagir ou forçar o cão a fazer as coisas como queremos, especialmente se o cão estiver à trela ou fisicamente restringido, no entanto quando estiver solto, fora do nosso raio de acção, ele irá ignorar as nossas ordens, deixando o treinador a treinar-se a si próprio. (dai a elevada procura da coleiras electrónicas, desmonstrando a ineficácia do treino pela coação)

"O meu cão não gosta de comida"
Basta escolher o tipo de comida apropriado e ensinar o seu cão a gostar de comida. Os cachorros facilmente aprendem a gostar de recompensas de comida. Para os cães adultos poderá resultar dar um pedaço de recompensa de comida antes de qualquer actividade que ele goste como: passear, subir para o sofá, apanhar a bola, etc.

4 comentários:

Claudia Estanislau disse...

bom post Zé, infelizmente a maioria dos críticos nunca tentou sequer treinar um cão com reforço positivo. Limitam-se a dar duas salsichas de vez em quando e fica por aí, para depois largamente criticarem o que nem conhecem. Antes de criticar, há que conhecer, ler, e acima de tudo fazer o que eles mais criticam, praticar. Saiam dos sofás e dos teclados, treinem um cão a fazer algo impressionante como detectar carcinomas com comida e depois venham fazer críticas válidas ( se ainda as tiverem). Cpts e bom trabalho

Inês Grey disse...

gostei muito deste texto!

Anónimo disse...

Portanto... vamos comparar ursos, golfinhos e focas com cães.

De qualquer forma o texto foi bastante elucidativo.

José Dores disse...

Sim exatamente, são comparáveis, aliás a ciência que estuda tudo isto é a Etologia, e o que estuda é o comportamento animal, dos animais em geral. A diferença que quero realçar é que o ser humano quendo pode exercer sobre outro animal mudanças de comportamento pela força física essa é a sua primeira opção, no entanto se usar nesses casos os métodos que usa nos casos em que não pode usar a força a mudança de comportamento será muito mais rápida, eficaz e duradoura.