terça-feira, 7 de setembro de 2010

TREINO CANINO EM POSITIVO Sim!... Sou maluco a esse ponto!

Sinto necessidade de escrever este post devido às caras de espanto que me deparo cada vez que afirmo não utilizar nenhum aversivo... sim... sou maluco a esse ponto e pelos vistos resulta muito bem.

Escolho evitar a violência em todas as minhas interacções com animais. Não uso a privação de oxigénio como consequência de um comportamento indesejado, não agarro o cão pelo cachaço, não espanco o cão, não belisco as orelhas ou patas dos cães, não faço nada para tentar imitar o comportamento de outro cão. Tento evitar o uso de aversivos auditivos também como gritar ao cão. Pessoalmente considero essas coisas tristes, deploráveis e desrespeitosas. As minhas interacções humanas ensinaram-me que é necessário o respeito para obter o respeito, e ainda não encontrei nenhuma evidência que isso não possa ser verdade no que toca a canídeos.

Também escolho fazer figuras ridiculas com os meus cães, ou a treinar cães, no sentido de obter parceiros de trabalho e melhores amigos entusiásticos, voluntariosos e confiantes. Faço sons ridiculos, utilizo brinquedos com apito na rua, à medida que passeio o cão, mudo de direcção imprevisivelmente, como se de um maluquinho se tratasse. Não ando com a trela esticada, por isso poderão ver-me parado no passeio durante algum tempo, admirando o jardim do vizinho, ou a olhar os carros que passam até que o meu cão se decida a retirar a tensão da trela.
Em suma, pareço, aos olhos da população em geral, doido varrido, tal como aos olhos de alguns familiares e amigos.

Maluquice ou senso comum!?
Enquanto que muita gente realmente considera estes pontos de vista disparatados eu espero que outros compreendam onde quero chegar e o que quero transmitir. Como alguém que treina cães, estas coisas são apenas do senso comum para mim.
Aqui estão as razões principais:

Os cães aprendem por associação - através do condicionamento clássico, experiências aversivas na presença de um determinado estimulo ou num determinado ambiente podem criar uma resposta emocional negativa permanente ao estimulo em questão. Se alguém grita ao seu cão sempre que ele puxa à trela quando vê outro cão como é que o cão sabe que a gritaria não está associada ao outro cão mas sim ao puxar da trela? Se o cão considerar esta experiência aversiva poderá passar a não gostar da presença de outros cães e reagir de forma agressiva. E se for um comportamento agradável, um comportamento desejável, como ficar focado em mim e oferecer comportamentos de relaxação? E se o Bobby, que normalmente é timido com crianças ficar relaxado enquanto uma criança lhe faz umas festas? Os comportamentos correctos têm demasiada importância para nos arriscarmos a envenenar um comando ou desenvolver uma reactividade ou um problema de ansiedade quando poderia perfeitamente ser evitado através da gestão correcta destas situações.

Os cães são sensiveis às emoções humanas - Esta é de facto uma das razões porque gostamos tanto deles. Eles parecem naturalmente perceber o nosso estado de espirito, parecem conseguir ser empáticos, principalmente devido aos milhares de anos de evolução conjunta entre as duas espécies. Os cães conseguem sentir quando os donos estão stressados, contentes, frustrados, ansiosos, etc, através da nossa linguagem corporal. Por isso se queremos um amigo voluntarioso não será com gritaria e violência que chegaremos lá... ele topa-nos à légua!


Por estas razões e por tantas outras que só quem vê num cão um amigo é que sabe eu escolho ser maluco... bons treinos!

4 comentários:

Emmanuelle Moraes disse...

Maravilhoso!!
Parabéns!

Casa do Pinhal disse...

Se ser assim é ser maluco, então, vivam os malucos!

José Dores disse...

Vivam!!! Hehehehe!

MC disse...

eu também faço muuuuiiiitas figuras com os meus cães e por acaso estou a precisar de uma ajudinha com os meus pequenos (*Pinschers miniatura, mãe (quase 2 anos) e filho (6meses))

Sabe indicar-me algum treinador na zona de Odivelas?

msc2008@live.com.pt